Frevo do Batuque Book

pentagrama

Quem conhece o Batuque Book sabe que o projeto vem focalizando tradições que são fundamentalmente baseadas na oralidade. Então, o que está nos motivando a publicar um Batuque Book do frevo, música que já utiliza normalmente a notação musical?

Em primeiro lugar, é importante salientar que o principal objetivo do Batuque Book é levantar questões sobre, discutir, e compreender os significados culturais e que as partituras, mais do que um fim, são um meio de aprofundar essa compreensão. Além disso, vale salientar que o frevo utiliza partituras, mas uma grande parte da sua transmissão também se baseia na oralidade. Os maestros, arranjadores e compositores costumam contar com um significativo contingente de músicos especialistas que dominam as convenções e que, portanto, são culturalmente habilitados a executar os frevos. Sendo o frevo uma “linguagem” musical amplamente partilhada em Pernambuco – assim como ocorre com o jazz em várias partes dos Estados Unidos –, muitos compositores e arranjadores não sentem a necessidade de anotar uma gama de sinais de dinâmica, de articulação, de acentuação e outros; justamente os sinais que remetem às nuanças específicas dessa música-dança. É aqui que o Batuque Book quer oferecer uma contribuição: fazer uma ponte entre o frevo e as pessoas que não dominam as suas convenções. Outra perspectiva que devemos levar em conta é que os especialistas nutrem interesse pela história e os significados do frevo, mesmo porque se trata de uma tradição que esbanja uma variada riqueza de detalhes, de virtuosismo, de formas, de interpretações e tais aspectos foram escassamente discutidos até o momento presente.

O conceito de Batuque Book se adequa às atuais demandas do frevo porque, no sentido de facilitar a compreensão e agregar conhecimentos, o projeto lança mão não só do livro impresso, mas ainda de outros suportes e veículos contemporâneos (DVD, livro digital, Internet), os quais possibilitam uma convergência de linguagens: texto, fotografia, audiovisual, esboços, partituras, etc. Assinalamos, enfim, que o Batuque Book se concentrará nas vozes dos mestres fazedores da tradição abordada, mas incluirá também os músicos que circulam nas fronteiras do frevo — o que esses diferentes agentes têm a nos dizer é a fonte do diálogo intercultural que buscamos estabelecer através dessa alegria sonora. Evoé!