Chá de Zabumba

Realease

pentagrama

O Chá de Zabumba faz a gente dançar aquele gostoso rela-buxo, misturando a tradição do forró a vários outros estilos, como rap, reggae, samba etc. Como bem afirmou o jornalista Renato L, um dos atributos da atualização lavada adiante pela banda “é realizar essa alquimia sem construir um Frankenstein modernoso feito para arrancar os euros dos gringos incautos […] O Chá de Zabumba privilegiou a delicadeza para construir seus forrós despidos de regras”. Os shows são vigorosamente energéticos. Essa vibe é alimentada pela performance da banda, é claro, mas há outro elemento que cutuca o público: em cada show é servido gratuitamente o famoso chá de zabumba — não exatamente o alucinógeno homônimo de origem indígena, mas sim uma bebida à base de canela, hortelã e outras ervas similares, com uma leve pitada de aguardente — que ajuda a energizar o público. Além de ter participado de várias coletâneas, o grupo recifense lançou quatro CDs: Vamo Vadiá (2002), Pra Sambar um Forrozinho (2004), Chá de Zabumba (2007) e Sem Regra (2010) — Climério de Oliveira assina a maioria das músicas. O Chá tocou em importantes festivais, como Abril Pro Rock, Pernambuco em Concerto, Festival de Inverno de Garanhuns, MADA (Natal-RN), FENART (João Pessoa – PB) e Mercado Cultural (BA). Na sua formação, a banda conta com: Climério de Oliveira (Voz/violão), Netinho de Custódia (acordeom), Sammy (guitarra), Rinaldo Lucas (baixo), Dirney Pacífico (zabumba), Leo de Castro (Percussão) e Solano Marinho (bateria).

Pra cá, pra lá – Gravado no Bar Burburinho:
http://www.youtube.com/watch?v=ivwcqMrhHJE